2 visitantes on-line!
Total de visitas: 375775

Litotripsia Extra Corpórea (LECO) - Tratamento de Pedras nos Rins

Ondas de choque contra pedra nos rins (Não é cirurgia! É apenas um tratamento! Não é Laser!)

* Técnica que fragmenta cálculos volumosos para que sejam eliminados por via natural 

A Litotripsia por Ondas de Choque, mais comumente conhecida em sua forma abreviada como LECO, foi desenvolvida no início dos anos 80 na Alemanha. Na época, o único tratamento disponível para cálculos urinários (pedras nos rins) eram as cirurgias convencionais, com grandes incisões e períodos de convalescência muito prolongados. Neste cenário, a LECO era o único tratamento de baixa agressividade capaz de livrar o paciente dos temidos cálculos. 

“A fragmentação ocorre melhor quando o cálculo é menos denso e duro, e quanto menor for a distância entre a pele e o cálculo” 

A técnica evoluiu desde então, porém o princípio básico se mantém – aplicar uma forma de energia denominada de ondas de choque em direção ao cálculo, localizado por RX ou ultrassonografia, de modo a fragmentar cálculos volumosos em pequenos cálculos, que devem ser então eliminados por via natural. As ondas de choque, geradas no equipamento chamado litotritor, atravessam a pele e todos os tecidos até atingir o cálculo. A fragmentação ocorre melhor quando o cálculo é menos denso e duro, e quanto menor for a distância entre a pele e o cálculo (dados esses que são projetados por um bom exame de Tomografia Computadorizada). A desvantagem é que quando mal calculado, as ondas de choque podem atingir órgãos próximos ao rim bombardeando-os e causando danos, ás vezes pequenos, às vezes não (p. ex. como o pâncreas e é claro o próprio rim). 

Como funciona ?

O tratamento é realizado sem necessidade de internação, geralmente apenas com analgesia ou sedação leve. O paciente é acomodado em uma maca, e a fonte de energia, que está dentro de uma bolha envolvida por água, é acoplada à área mais próxima do cálculo, posicionada pelo RX ou ultrassom. Inicia-se então uma longa série de disparos, os choques de onda, com aumento progressivo da intensidade. O procedimento tem duração de aproximadamente uma hora e o paciente recebe alta para repouso domiciliar. No dia do procedimento, dores que são bem controladas por analgésicos simples e presença de sangue na urina podem acontecer. O paciente deve estar atento a sinais de infecção do trato urinário, como febre e dor muito intensa e de difícil controle. Na vigência dessas situações, deve-se procurar seu médico. Como método de baixa agressividade, a LECO surgiu como uma panacéia para tratamento de todos os cálculos. Com o passar dos anos e com o surgimento de métodos cirúrgicos minimamente invasivos, hoje temos bem estabelecidos quais cálculos são mais bem tratados por esse método. Crianças apresentam melhor resposta, porém com frequência precisam de anestesia geral, o que nós não consideramos muito bom. Cálculos não muito volumosos são mais bem fragmentados e eliminados. Entretanto, gestantes, portadores de alteração anatômica na via urinária ou com alterações da coagulação ou infecção ativa do trato urinário não devem ser submetidos ao tratamento. Muitos urologistas abandonaram a LECO após o desenvolvimento das cirurgias endoscópicas minimamente invasivas. Porém, certamente, ainda há espaço para a LECO, que mostra com o passar dos anos ter tido sua importância no arsenal terapêutico dos cálculos urinários.

 

 

 

 

 

Assine nossos boletins eletrônicos


* Seu e-mail não será divulgado.

Marque sua consulta ou seus exames:

3323-1507|98653-1507
WhatsApp 99930-1200

Rua Meinha Mendes, 88A, Centro Ceres - Goiás , Hospital Dr. Domingos Mendes (InterVida), CEP - 76300-000